Oferecimento:
Cuide das borrachas do carro para evitar infiltração
16/08/2019 22:23:38
Flávia Martins

Se basta chover para aparecer água em algum ponto do carro, mesmo com os vidros fechados, os tapetes aparecem molhados sem motivo aparente, surgem manchas no acabamento interno ou fica aquele cheiro de mofo um tempo depois, é preciso estar atento: pode ser um sinal de que os drenos do veículo e as borrachas de vedação não estão funcionando como deveriam.

Esses componentes merecem cuidado, pois são eles que protegem o carro de infiltrações de água.

“Os drenos do veículo, que são como ralos para o escoamento da água, podem entupir com o acúmulo de poeira ou folhas que caem nos veículos estacionados sob árvores. O indicado é limpar esses locais uma a duas vezes por ano. Quem circula muito em estrada de chão pode aumentar essa frequência”, explica o diretor da Oficina Renova, Fábio Tessarolo.

Ele também orienta que é preciso inspecionar o estado de conservação das borrachas de vedação, as chamadas guarnições, presentes nas portas, para-brisa e tampas.

Tessarolo alerta que, sob o carro, há peças de vedação que podem ser arrancadas ao passar em quebra-molas, facilitando a entrada de água na parte inferior do veículo.

“Uma vez instalada a umidade dentro do carro, é preciso levar a uma oficina de confiança que irá fazer uma inspeção para descobrir por onde está entrando a água. Dependendo do estágio, pode ser preciso desmontar, lavar e secar peças”, afirma.

Um dos sinais de que a água infiltrou é perceber que os vidros ficam embaçados quando o veículo é exposto ao calor. Outra forma de notar isso é o barulho nas portas ou no teto enquanto se está dirigindo, conforme explica o coordenador técnico do Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi Brasil), Gerson Burin.

Ele orienta que o motorista, sempre que possível, verifique o dreno frontal (no para-brisa e capô), o lateral (nas portas e soleira) e o traseiro (no porta-malas).

“Nos carros equipados com teto solar, o cuidado precisa ser ainda maior: o dreno superior (do teto) entope com facilidade. Nessa situação, o reparo pode ser bem mais caro, caso haja necessidade, por exemplo, da troca da forração do teto, devido à exposição a essa circunstância”, alerta.

FIQUE ATENTO

BORRACHAS DE VEDAÇÃO

Com o tempo e a falta de cuidados, as borrachas, chamadas guarnição, tendem a se desgastar. Elas estão localizadas nas portas, na área de contato entre o capô e o painel frontal, entre a tampa do porta-malas e a carroceria, no entorno de vidros das janelas e para-brisa e no cofre do motor, próximo ao painel corta-fogo ou fixa na grade do para-brisa

Recomenda-se limpar essas borrachas com um pano úmido e, caso haja sujeira impregnada, com detergente neutro

Calor excessivo e tempo de uso também podem levar as borrachas a encolher ou sofrer ondulações, prejudicando a vedação, sendo necessário trocá-las

DRENOS

Os drenos podem ficar obstruídos por folhas e sujeira, fazendo com que a água caia dentro do veículo. É preciso verificar o dreno frontal (no para-brisa e capô), o lateral (nas portas e soleira) e o traseiro (no porta-malas), além do superior, em veículos com teto solar

PARA-BRISA

Caso seja necessário substitui-lo, é importante que ele seja bem colado à carroceria, para evitar que ocorram infiltrações

SELOS DE VEDAÇÃO

É preciso verificar se estão em dia os selos de vedação que se encontram no painel corta-fogo do motor, por onde passam chicotes e cabo de embreagem, e abaixo do assoalho, onde tapam orifícios responsáveis pela saída de elementos químicos após a pintura na montadora. Embora sejam herméticos, podem ter se soltado ou deformado, possibilitando a entrada de água

TETO SOLAR

Veículos podem sofrer infiltrações pelas borrachas que vedam a janela superior. Para evitar, pode ser necessário utilizar uma vaselina específica encontrada em lojas especializadas em

tetos solares

LANTERNAS E LÂMPADAS

Ao trocar uma dessas peças, é preciso verificar o encaixe correto, para evitar a entrada de água em partes da carroceria, o que pode danificar

O CONJUNTO

COLISÕES

Após colisões, é preciso checar na reparação a distância entre os vãos da carroceria com as peças adjacentes, portas e tampas, evitando infiltrações por meio delas

Fonte: Cesvi Brasil