Oferecimento:
Bagagem no banco traseiro aumenta riscos e dá multa
12/04/2019 21:03:39
Flávia Martins

Credito: Pinterest

Viagem em família, malas prontas e, na hora de colocar tudo no carro, o porta-malas é insuficiente. O mesmo vale para compras no supermercado ou no shopping: parece mais prático acomodar as sacolas no banco traseiro e seguir o trajeto. Mas essa prática de levar bagagem solta dentro do veículo, que parece inofensiva, além de aumentar o risco de acidentes, é uma infração de trânsito e pode terminar em multa.

O gerente operacional do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran-ES), Cleber Bongestab, informa que o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) dispõe em seu artigo 248 que é infração de natureza grave “transportar em veículo destinado ao transporte de passageiros carga excedente em desacordo com o estabelecido no artigo 109”.

O artigo 109 do código trata de resolução do Contran que ordena o transporte de cargas em veículos de passageiros, como uso de bagageiro.

Portanto, segundo o Detran, se em uma abordagem for verificado que o condutor está transportando o veículo com bagagens, bolsas e sacolas de supermercado soltas no interior do automóvel, ele será autuado. A infração prevê multa de R$ 195,23, cinco pontos na carteira e pode haver também a retenção do veículo para o transbordo ou retirada da bagagem.

Bongestab reforça que, esses objetos, quando soltos, podem “correr” de um lado para o outro e tirar a atenção do condutor, podendo, assim, causar um acidente. “Portanto, a orientação é para que o condutor acondicione os itens no bagageiro, porta-malas ou porta-luvas e, quando não for possível, que os transporte de modo que fiquem presos e seguros no veículo”.

Na avaliação do superintendente da Polícia Rodoviária Federal do Espírito Santo (PRF-ES), Wylis Lyra, a prática de levar objetos soltos dentro do veículo também pode ser enquadrada no artigo 169 do CTB – “dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança”, que prevê multa de R$ 88,38 e três pontos na carteira.

“O passageiro tem de estar no seu local adequado e com cinto afivelado, pois, no caso de uma frenagem, os de trás são projetados sobre os da frente. A carga terá esse mesmo efeito se estiver solta sobre os bancos”, explica.

PERIGO

O superintendente técnico do Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI BRASIL/MAPFRE), Emerson Feliciano, também faz esse alerta. “Em caso de acidente, todo objeto pode ser arremessado sobre o motorista ou sobre os demais ocupantes com uma força 50 vezes maior do que o seu peso de verdade. Por isso, é fundamental que todos os itens permaneçam isolados no porta-malas”, orienta.

SAIBA MAIS

Na cabine

Volumes menores, como bolsas e mochilas, devem ficar no assoalho do veículo, nunca sobre o painel ou o tampão do porta-malas. Evite também obstruir a visão das janelas ou o vidro traseiro, para evitar pontos cegos.

Limite de peso

Todo veículo tem uma capacidade de carga máxima, informação que está disponível no manual. Então, não vale também encher o porta-malas acima desse limite, o que sobrecarrega o carro e pode causar danos a componentes mecânicos, como aumento do desgaste de freios e suspensão.

Bagageiro e rack

São formas mais adequadas de ampliar a capacidade de carga do veículo, desde que instalados de maneira correta e obedecendo os limites de peso estabelecidos pelo fabricante e recomendações sobre como acomodar/fixar a carga. A altura máxima da carga deve ser de 50 cm acima da linha do teto.

Riscos

Excesso de bagagem reduz a capacidade de frenagem, impacta na aceleração, na retomada de velocidade e em curvas.

Fonte: Cesvi/Mapfre